1d255796-54ae-4d27-a5d8-fbac14abe324_iStock-1066115240.jpg

PÓS GRADUAÇÃO: Módulo 02  - SPESF EAD

POLÍTICAS E PROGRAMAS DE SAÚDE

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

 

1. INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

              As Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) são causadas por vírus, bactérias ou outros microrganismos. Elas são transmitidas, principalmente, por meio do contato sexual (oral, vaginal, anal) sem o uso de camisinha masculina ou feminina, com uma pessoa que esteja infectada. A transmissão de uma IST também pode ocorrer por meio da transmissão vertical para a criança durante a gestação, o parto ou a amamentação, quando medidas de prevenção não são realizadas[1].

               De maneira menos comum, as IST também podem ser transmitidas por meio não sexual, pelo contato de mucosas ou pele não íntegra com secreções corporais contaminadas. O tratamento das pessoas com IST melhora a qualidade de vida e interrompe a cadeia de transmissão dessas infecções. O atendimento, o diagnóstico e o tratamento são gratuitos nos serviços de saúde do SUS. A terminologia Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) passou a ser adotada em substituição à expressão Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) porque destaca a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir uma infecção, mesmo não apresentando sinais e sintomas.

              As IST são provocadas por microrganismos, tais como bactérias, vírus, fungos e protozoários. Estes agentes infecciosos encontram-se nos fluidos corporais tais como sangues, esperma e secreções vaginais.

 

[1] http://www.aids.gov.br/pt-br/publico-geral/o-que-sao-ist

Imagem1.png

CLIQUE AQUI

Imagem 1 -   Bactérias, Vírus, Fungos e Protozoários.

Estabelece a Linha de Cuidados de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) / Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) / Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids).

São alguns exemplos de IST

 

  • herpes genital,

  • sífilis,

  • gonorreia,

  • tricomoníase,

  • infecção pelo HIV,

  • infecção pelo Papilomavírus Humano (HPV),

  • hepatites virais B e C, 

  • infecção pelo vírus linfotrópico de células T humanas (HTLV).

Imagens 2 - Infecções Sexualmente Transmissíveis

Imagem2.png

Prevenção

 

               O método mais eficaz para evitar a transmissão das IST é uso da camisinha (masculina ou feminina) durante relações sexuais. Ela pode ser retirada gratuitamente nas unidades de saúde. Valer-se da prevenção combinada aumenta a eficácia preventiva, porque abrange o uso da camisinha masculina ou feminina, ações de prevenção, diagnóstico e tratamento das IST, testagem para HIV, sífilis e hepatites virais B e C, profilaxia pós-exposição ao HIV, imunização para HPV e hepatite B, prevenção da transmissão vertical de HIV, sífilis e hepatite B, tratamento antirretroviral para todas as PVHIV, redução de danos, entre outros.

 

Imagem 3 - Métodos de prevenção

Imagem3.png

           Há diferentes abordagens voltadas para a redução do risco de expsição e exemplos incluem a Profilaxia Pós-Exposição – PEP; e a Profilaxia Pré-Exposição – PrEP, que são intervenções biomédicas baseadas no uso de antirretrovirais (ARV).

          A PrEP é o uso preventivo de medicamentos antes da exposição ao vírus do HIV, reduzindo a probabilidade da pessoa se infectar com vírus. Os públicos da PrEP são gays e outros homens que fazem sexo com homens (HSH); pessoas trans; trabalhadores/as do sexo e parcerias soro diferentes (quando uma pessoa está infectada pelo HIV e a outra não).

CLIQUE
AQUI

Digital-Marketing.gif

ASSISTE   AQUI

REFERÊNCIAS 

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2020. 248. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wpcontent/uploads/2020/08/pcdt_ist_final_revisado_020420.pdf

  • DA COSTA, Thais dos Santos et al. Escola, sexualidade, práticas sexuais e vulnerabilidades para as infecções sexualmente transmissíveis (IST). REVISTA INTERDISCIPLINAR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-RevInt, v. 4, n. 1, 2017.

 

  • PEREIRA, Gerson Fernando Mendes et al. HIV/aids, hepatites virais e outras IST no Brasil: tendências epidemiológicas. 2019.